Mãe manda matar o filho de 7 anos após ele descobrir que ela e o padastro eram traficantes

0
110

 

A polícia decretou a prisão temporária de Alexandra Moura da Silva, de 26 anos, por ser a mandante do assassinato do próprio filho, uma criança de 7 anos, ocorrido em janeiro de 2015, na cidade de Camaçari, na região metropolitana de Salvador.

O corpo de Carlos Henrique Moura foi encontrado em um córrego, três dias após ter sido dado como desaparecido.

Segundo a delegada Maria Tereza, titular da Delegacia de Homicídios de Camaçari (DH/RMS), a polícia teve certeza de que a mulher estava por trás do crime, após prender José Nilton Pereira da Silva, o homem que executou a criança.

“Ele foi preso em 8 de agosto deste ano, confessou o crime e apontou Alexandra como mandante”, afirmou a delegada, “em depoimento José Nilton disse que a mãe da criança prometeu uma noite de sexo, se ele matasse o menino”, acrescenta.

Durante o depoimento, José Nilton afirmou que Alexandra tinha medo que a criança contasse para a avó paterna que a mãe tinha planos de participar de um assalto a banco e que vendia drogas, era a avó quem criava a criança.

Segundo a polícia, também existe a suspeita de que a mãe estaria usando o menino para levar e trazer drogas, Alexandra está foragida desde o dia 16 de agosto deste ano, quando foi decretada a sua prisão temporária. A polícia ainda informou que José Nilton é amante da avó materna da criança.

Caso

Em 7 de janeiro de 2015, a família de Carlos Henrique Moura denunciou o desaparecimento do menino, três dias depois, a criança foi encontrada afogada em um córrego da cidade de Camaçari.

Na época, familiares disseram que o menino estava brincando na porta de casa, no bairro de Nova Vitória, quando desapareceu, desde o início das investigações, a polícia já trabalhava com a hipótese de homicídio, já que a profundidade do córrego não possibilitaria que a criança morresse afogada.

Veja Também  Cinco suspeitos são presos durante operação da Polícia Militar

A Polícia Civil também já tinha a mãe e o padrasto da criança como suspeitos, no sepultamento do menino, ocorrido em 11 de janeiro de 2015, a mãe chegou a desmaiar e, segundo relatos de familiares, foi amparada pelo companheiro, que era padrasto da criança.

Veja o vídeo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here