Pesquisadores podem ter descoberto como as pirâmides foram construídas

0
125

Um dos maiores mistérios da história da humanidade pode, finalmente, ter sido resolvido. De acordo com o jornal The Independent, arqueólogos podem ter descoberto como os egípcios transportaram mais de 170 mil toneladas de calcário para construir a Pirâmide de Quéops, ou Grande Pirâmide de Gizé. Não é novidade para os pesquisadores que as pedras utilizadas na construção da pirâmide vieram de longe. O calcário, por exemplo, foi extraído a mais de 12 quilômetros de distância de Gizé, em um local chamado Tura, enquanto o granito veio de mais de 800 quilômetros de distância. Era claro que todo o material não havia sido transportado a pé, mas especialistas divergiam em relação à maneira utilizada para o transporte.

Depois de anos de trabalho, descobertas realizadas nos arredores do Cairo, no Egito, indicam a utilização de barcos para mover as pedras. Um grupo de arqueólogos conseguiu desenterrar do sítio arqueológico um antigo rolo de papiro, além de restos de um barco e uma rede de vias navegáveis, uma espécie de mapa marítimo. Segundo o arqueólogo Pierre Tale, que passou quatro anos decifrando o papiro, o documento foi escrito por um homem chamado Merer, que trabalhou como superintendente na construção da pirâmide e era responsável por 40 marinheiros de elite. Tale explica que esse é o “papiro mais antigo já encontrado”.

Ainda segundo os arqueólogos, milhares de trabalhadores foram responsáveis por cavar canais no rio Nilo, para facilitar o transporte de calcário. As embarcações que faziam o transporte desses materiais seguiam amarradas por cordas, encontradas em bom estado. Depois de recolher os materiais nas regiões, eles eram colocados nos barcos e transportados até um porto interno, que ficava a poucos metros da base da pirâmide, em Gizé. Foram enviados em duas décadas de trabalho cerca de 2,3 milhões de blocos de pedra.

Veja Também  Unespar abre concurso público para agentes universitários

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui