Atentado mata repórter que apurava fraudes dos Panama Papers em Malta

0
113

Uma jornalista que participava das investigações internacionais conhecidas como Panama Papers foi morta em Malta nesta segunda-feira (16) quando uma bomba explodiu seu carro enquanto ela dirigia, afirmou o primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat. Daphne Caruana Galizia, 53, estava saindo de sua casa na cidade de Mosta, próximo à capital de Malta, Valletta, quando a bomba explodiu, destruindo o veículo.

A jornalista havia revelado a participação de personalidade políticas de Malta nos Panama Papers -fraudes fiscais trazidas à tona após o vazamento de registros do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca-, como o próprio Muscat e sua mulher, Michelle, seu ministro da Energia e seu chefe de gabinete, que teriam empresas no Panamá. Muscat e sua mulher negaram.

Malta é um país europeu de cerca de 450 mil habitantes.

Muscat disse que sua morte resultou de um “ataque bárbaro” que também representa um ataque à liberdade de expressão. Ele descreveu a jornalista como “uma de minhas críticas mais ferrenhas, em níveis pessoais e políticos” e disse que a violência era “inaceitável”.

Caruana Galizia foi apontada pelo site Politico como umas das personalidades que estava “transformando e sacudindo” a Europa. A jornalista estava sendo processada por difamação devido a vários artigos que escreveu em seu blog “Running Commentary”. Ela havia prestado queixa na polícia havia duas semanas dizendo que estava recebendo ameaças. O líder da oposição, Adrian Delia, afirmou que a morte foi um “assassinato político”.

Com informações (FOLHAPRESS)

Veja Também  Repórter toma susto de senhorzinho ao fazer matéria sobre onça no Paraná

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here