Pesquisadora revela o perigo que o “sal rosa” causa ao organismo

0
275

De acordo com a Palestra da pesquisadora Conceição Trucom, que é pesquisadora, palestrante e escritora sobre temas voltados para alimentação natural. A pesquisadora avaliou 2 amostras de sal rosa e encontrou gesso, carbonatos e sulfatos principalmente de ferro e silicato (areia); Quanto mais rosa mais resíduo. Por isso a diferença tão grande de preço.

O sal do Himalaia não é falso. Ele é assim mesmo contaminado com sais de ferro e sílica inorgânica (areia ou quartzo que são abrasivos e não assimilável pelo nosso organismo) que são insolúveis e gesso, um sal a base de cálcio (inadequado à saúde humana).

O Sal não se dissolve em água, mesmo durante várias horas em repouso. E todo sal tem que dissolver em água; Um sal para consumo humano não pode de maneira alguma conter insolúveis (traços ou percentuais acima de 10 ppm).

Tem um elevado teor de flúor e areia nesse famoso sal, que usa o nome Himalaia para soar melhor, quando na verdade vem do Paquistão. O excesso de flúor altera nossa glândula pineal ou epífese e areia mexe com crianças, problemas renais.

Comentar

Veja Também  Médicos encontram 263 moedas em estômago de paciente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui