Senado suspende decisão do STF que afastava Aécio Neves

0
182

Por 44 votos a 26, o Senado decidiu nesta terça-feira, 17, suspender a decisão que afastava Aécio de suas funções parlamentares. A votação, aberta no final da tarde, foi aberta e nominal. Com a rejeição das medidas cautelares, o senador retoma suas atividades e não será obrigado a se recolher durante a noite e não deverá ter seu passaporte retido. Para chegar ao resultado final era necessário o mínimo de 41 votos. Caso não se atingisse o número, a votação seria refeita.

Depois de delações de executivos da J&F, a Procuradoria Geral da República denunciou Aécio Neves pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa. O senador nega as acusações. “Sem o mandato inviolável não há democracia que se sustente. A democracia é o regime dos direitos. Respeito os poderes, mas entendo que nenhum poder é maior do que o outro. Portanto, entendo que o poder guardião da Constituição não é o STF. O STF interpreta a Constituição, mas o guardião é quem escreve a Constituição para que seja seguida pelos outros dois poderes”, afirmou Romero Jucá (PMDB-RR), que votou contra a decisão do STF.

“A sociedade exige a eliminação de todos os privilégios às autoridades e, ao recusar a decisão do STF, estamos alimentando os privilégios, ao invés de extingui-los. Não votamos contra o senador, votamos em respeito à independência dos poderes, em respeito a quem compete a última palavra em matéria de aplicação e interpretação da Constituição, que é o STF”, declarou o senador Álvaro Dias (Pode-PR), que votou a favor da decisão.

Carta

Pela manhã, Aécio Neves enviou uma carta aos senadores pedindo o apoio para enfrentar o que ele chamou de uma “trama tão ardilosamente construída”. “Talvez você possa imaginar minha indignação diante da violência a que fui submetido e o sofrimento causado a mim, à minha família e tantos mineiros e brasileiros que me conhecem de perto em mais de trinta anos na vida pública”, aponta Aécio. “O que está em jogo é se pode, de forma monocrática ou por maioria de votos de uma das turmas do Supremo, um parlamentar ser afastado de suas funções sem ser previamente julgado”, explica.

Veja Também  Confusão marca voto decisivo de Cármen Lúcia

O senador pede ainda desculpas por ter utilizado “termos inadequados” nas conversas gravadas por Joesley Batista. “Já me desculpei, e volto a fazê-lo, e me penitencio diariamente pelos termos inadequados que utilizei naquela conversa que imaginava privada, sabendo que nem isso os justifica”, aponta.

Com informações ( br.noticias.yahoo )

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui