Traficante americano processa RJ e quer quase R$ 1 trilhão

Um americano, condenado a 30 anos de prisão por tráfico de drogas e extraditado para os Estados Unidos, abriu um processo contra o estado do Rio de Janeiro e a União. Ele alega ter sido torturado e quer quase R$ 1 trilhão do estado, onde foi preso em 1991. O valor equivale à dívida externa do Brasil. John Gregory Lambros garante ter tido eletrodos implantados no cérebro durante o tempo em que passou na cadeia.

Agora, um juiz americano do Distrito de Columbia mandou uma carta rogatória para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo que o Estado do Rio seja notificado. A Procuradoria Geral do Estado já se manifestou contrariamente ao pedido de Lambros, que pede US$ 300 bilhões, o equivalente a R$ 945 bilhões.

O americano alega ter sido torturado nas dependências da Polícia Federal em Brasília, para onde foi levado enquanto aguardava julgamento do pedido de extradição feito pelos Estados Unidos. Até hoje ele está preso em uma penitenciária no estado americano do Kansas.

Na carta rogatória enviada ao Brasil, Lambros alega ter sido torturado dentro das dependências da Polícia Federal em Brasília, para onde foi levado enquanto aguardava o julgamento pelo STJ do pedido de extradição feito pelo Estados Unidos.

O procurador do Estado Marcelo Martins defende que o pedido da Justiça americana “é uma ofensa à soberania e à ordem pública nacionais”, visto que o Estado do Rio de Janeiro, como membro da República Federativa do Brasil, “não admite sua submissão à jurisdição de qualquer estado estrangeiro”.

Martins criticou Lambros, chamando de “lunática” a afirmação de que eletrodos foram implantados em seu cérebro. “O autor do processo no Distrito de Columbia parece padecer de enfermidade mental”, acrescentou.

Veja Também  Justiça condena Walmart a indenizar gerente obrigado a rebolar na frente de clientes

Comentar

Tags

Mauricio Dias

Nada "além" do compromisso com a informação | Jornalismo independente

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios