Tricotilomania ; Causas e tratamento

Tricotilomania é o impulso urgente e que a pessoa não consegue controlar de arrancar o próprio cabelo ou pelos, seja do couro cabeludo, sobrancelhas ou outras partes do corpo. É um tipo de transtorno compulsivo, como o transtorno obsessivo compulsivo (TOC). A pessoa sabe que o que está fazendo não é certo, mas não consegue se controlar e continua puxando e arrancando fios de cabelo.

Como acontece

Não se sabe exatamente que fatores interferem no surgimento da tricotilomania. Algumas pessoas manifestam o comportamento desde crianças, outras passam a arrancar os fios após algum acontecimento importante, estressante ou traumático. Alguns fatores genéticos também possam ter alguma influência no surgimento do distúrbio. Sabe-se também que pessoas com tricotilomania tem alterações naturais nas reações químicas do cérebro que envolvem a serotonina e a dopamina.

De acordo com o Manual Merck, entre 1 e 2% da população tem tricotilomania, e 90% das pessoas afetadas são mulheres, talvez porque elas tendem a procurar mais ajuda médica do que os homens, pois na infância, meninas e meninos parecem igualmente afetados. Em geral, o hábito de puxar e arrancar fios de cabelo começa logo antes ou depois da puberdade.

Em 1889 o médico francês François Henri Hallpeau (1842-1919) descreveu um paciente que puxava os cabelos aos tufos. Ele batizou o fenômeno de “tricotilomania” (do grego trico = cabelo, fio; tillo = arrancar). O reconhecimento de que se trata de um quadro patológico específico, no entanto, surgiu apenas no fim do século 20.

Os fatores de risco que aumentam as chances de ter tricotilomania são:

Histórico familiar;

Ter entre 11 e 13 anos;

Ter transtornos como depressão, ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo.

SINTOMAS DE TRICOTILOMANIA

Puxar repetidamente fios do couro cabeludo, sobrancelhas ou cílios, entre outras áreas do corpo;

Veja Também  Hospital São Paulo fica sem tomógrafo e kits para fazer exames de sangue

Sentir um aumento das tensões antes de puxar o cabelo ou ao tentar resistir à vontade de puxar;

Sentir prazer ou alívio ao arrancar um fio de cabelo;

Ter preferência por fios específicos ou rituais ao puxar os cabelos

Mastigar, morder, engolir ou enrolar os fios arrancados

É comum que pessoas com tricotilomania também tenham outros comportamentos compulsivos, como roer unhas, mastigar os lábios ou mesmo machucar a própria pele. Além disso, muitos pacientes com tricotilomania tendem a esconder as falhas no cabelo, cílios e sobrancelhas e a puxarem o cabelo apenas quando estão sozinhas.

Tratamento

  • Resistir ao impulso. Quanto mais você resistir melhor, por mais ansiosa que fique. Sem essa resistência nenhum tratamento dá certo.
  • Psicoterapia comportamental
  • Antidepressivos e/ou Neurolépticos.
  • Pode ser que as primeiras tentativas não tenham resultado bom, é preciso ter paciência para novas tentativas de tratamento. O resultado pode vir rápido, mas pode demorar meses.

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui