Deputado presidiário dá voto simbólico na denúncia contra Temer

0
113

Presidiário de noite e parlamentar de dia, Celso Jacob (PMDB-RJ) deu o voto 171 contra o prosseguimento das investigações contra o presidente Michel Temer, seu correligionário. No Código Penal brasileiro, o artigo 171 é o que tipifica o crime de estelionato. O presidente precisava de 171 votos para impedir o prosseguimento da denúncia.

Jacob foi preso em 6 de junho, no aeroporto de Brasília, e cumpre pena no presídio da Papuda. Conseguiu, por estar em regime semiaberto, o direito de trabalhar durante o dia -e bate ponto todos as manhãs na Câmara, mesmo durante o recesso e em feriados prolongados.

Ele foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a sete anos e dois meses de prisão por falsificação e dispensa de licitação na construção de uma creche quando era prefeito de Três Rios (RJ), em 2002.

Sua assiduidade na Câmara já virou notícia duas vezes. Foi o único a comparecer em 30 de junho, quando a primeira denúncia contra Michel Temer passava pelo Legislativo e o governo tentava garantir quorum para abrir sessões e acelerar a tramitação.

O mesmo aconteceu recentemente, na segunda denúncia: desta vez, só ele e o deputado JHC (PSB-AL) apareceram para abrir sessão.

Na votação da primeira denúncia, Jacob também votou para que a denúncia que acusa Temer de obstrução de Justiça e organização criminosa, não seguisse adiante. Na desta quarta (25), o deputado-presidiário também votou “sim”, e não justificou o porquê. Disse apenas que votaria com a orientação de seu partido.

Com informações (FOLHAPRESS)

Veja Também  Temer seria destinatário de parte de recursos em esquema de Eduardo Cunha, diz Funaro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here