Estado Islâmico ameaça Neymar e Messi em novo cartaz

0
189

Os jogadores Neymar e Lionel Messi foram retratados em uma ameaça do Estado Islâmico (EI) à Copa do Mundo de 2018, na Rússia. O pôster mostra um terrorista que segura Neymar, de joelhos e com as mãos atadas, segurando uma bandeira do grupo extremista, enquanto Messi aparece executado. O novo cartaz foi divulgado dias após os jihadistas da Wafa Media Foundation, que apoia o EI, divulgarem uma imagem mostrando Messi, com um dos olhos sangrando, vestindo uma roupa de presidiário com seu nome escrito.

Antes do cartaz com Neymar e Messi e do outro em que o argentino figura sozinho, o organização divulgou outras imagens na campanha contra a Copa. Há duas semanas, um outro pôster mostrava o símbolo da Copa do Mundo ao lado de um homem com uma máscara, onde estava escrito: “Espere por nós.” Em uma outra ameaça, a Wafa divulgou um pôster que mostrava um
jihadista observando o estádio Luzhniki, em Moscou, que receberá partida

ATAQUE A ÚLTIMO REDUTO

O Iraque anunciou na quinta-feira o início do ataque ao último reduto do Estado Islâmico (EI) em seu território, perto da fronteira com a Síria. A batalha pretende asfixiar os jihadistas no vale do Eufrates, que vai da província de Deir Ezzor, no Leste da Síria, até Al-Qaim, no Oeste do Iraque. A ofensiva coincide com as movimentações do outro lado da fronteira, do Exército sírio e de seus aliados, para cercar os combatentes do grupo extremista.

As tropas governamentais e forças paramilitares expulsaram o Estado Islâmico de mais de 90% das áreas que dominavam. O general iraquiano Qasem AlMohamedi, que comanda as operações, disse que as tropas posicionadas ao redor da cidade de al-Qaim avançavam em “quatro frentes: leste, sul, sudeste da cidade e a partir da província de Nínive, mais ao norte”.

Veja Também  Mulher é estuprada pelo pai, irmão e tios após fugir com amante

De acordo com a ONG Norwegian Refugee Council (NRC), mais de 10 mil civis fugiram da região de alQaim e chegaram aos campos de deslocados da região de Ramadi desde o início do mês.
O Estado Islâmico (EI) vem sofrendo grandes derrotas, como a perda das duas capitais de seu autoentitulado califado, e, com isso, ao menos 5.600 combatentes do grupo de 33 nacionalidades, e suas mulheres e filhos, voltaram aos seus países de origem, segundo um relatório do centro de estudos antiterroristas The Soufan Center.

Até 40 mil estrangeiros foram para a Síria e o Iraque para se juntar ao EI. Dados de centros administrativos em Raqqa conseguiram identificar 19 mil. A partir de informações de diferentes fontes nacionais e internacionais, a lista de estrangeiros que foram lutar na Síria e no Iraque é encabeçada pela Rússia, que recebeu de volta 400 jihadistas dos 3.417 deixaram o país, seguida da Arábia Saudita, com 760 retornos dentre 3.244 saídas.

A Jordânia vem em terceiro lugar, com 250 repatriados de 3 mil que saíram, a Tunísia, com 800 voltas de 2.926 e França de 271 de 1910. O Soufan Center reconhece que o fluxo de combatentes rumo ao Iraque e à Síria diminuiu no final de 2015, quando o EI começou a perder e os países começaram a implementar medidas para bloquear as viagens.

RETOMADA DE RAQQA

No dia 17 de outubro, a aliança de combatentes curdos e árabes apoiada pelos Estados Unidos retomou Raqqa, a capital do Estado Islâmico na Síria, onde dezenas de jihadistas estrangeiros estavam entrincheirados. A vitória teve um custo altíssimo: grande parte da cidade foi devastada pelos ataques aéreos liderados pelos americanos que mataram 3.250 pessoas, sendo 1.130 civis, nos últimos cinco meses, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Ao todo, cerca de 270 mil moradores foram deslocados pelos combates e milhares de casas foram destruídas.

Veja Também  Acidente de trem deixa ao menos doze mortos na África do Sul

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here