Revista britânica chama Bolsonaro de “demagogo” e indaga: Brasil vai elegê-lo?

0
303

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), potencial candidato a presidente nas eleições de 2018, ganhou as páginas da revista britânica The Economist que chega às bancas e aos assinantes neste fim de semana. Para a publicação, no entanto, ele não é um “messias”, como sugere o segundo sobrenome dele, mas, sim, um “menino muito travesso”.

“Pode um demagogo como Jair Bolsonaro se tornar o próximo presidente?”, questiona o semanário, que traz uma foto do parlamentar com um grande sorriso.

A área de chegadas do Aeroporto Internacional de Belém (PA) foi escolhida pela reportagem para dar o clima de emoção de centenas de apoiadores, que aguardavam Bolsonaro monitorados por policiais.

Alguns carregavam bandeiras com o slogan já escolhido para a campanha: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Outros usavam camisetas do filme “O Poderoso Chefão”, com o rosto dele no lugar do de Marlon Brando.

“Quando o candidato, finalmente, emerge pelas portas deslizantes, a multidão avança, esforçando-se para vê-lo. Enquanto os guarda-costas o escoram, a multidão persegue Bolsonaro como se ele fosse um herói de volta à casa”, ilustra.

A visita a Belém é um ato precoce na campanha de Bolsonaro para conquistar as eleições presidenciais em outubro de 2018, de acordo com a The Economist. Assim a revista o descreve: um nacionalista religioso, ex-capitão do Exército, anti-homossexual, favorável às armas e apologista de ditadores que torturaram e mataram brasileiros entre 1964 e 1985.

Bolsonaro, cita a revista, ataca a elite política exposta na Operação Lava Jato, e a mensagem ressoa. Se as eleições fossem realizadas hoje, um oitavo dos brasileiros votaria no deputado do PSC do Rio, segundo o Ibope. Com isso, ficaria em segundo lugar, atrás apenas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem o apoio de um terço do eleitorado.

Veja Também  Deputado do PT divulga foto de ‘caravana’ pró-Lula, mas imagem mostra sacoleiros

Bolsonaro e Lula se enfrentariam num segundo turno. O apelo do deputado do PSC, no entanto, pode desaparecer à medida que a economia se recupera de uma recessão e os eleitores prestam mais atenção às eleições. “Mas seu posto de segundo lugar diz muito sobre o clima turbulento entre os brasileiros”, avalia o veículo britânico.

Uma escolha entre Bolsonaro e o ex-presidente, que foi condenado por um tribunal de primeira instância por corrupção, “seria realmente sombria”. Lula recorre.Trump brasileiro

Bolsonaro espera ser um Donald Trump brasileiro. Sua retórica é ainda mais indecorosa, de acordo com a revista. Em 2016, ele dedicou o voto de impeachment contra a então presidente Dilma Rousseff ao “torturador-chefe” da ditadura, Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Em 2014, disse a uma congressista que não a estupraria: “Você não merece”. Para o semanário, Bolsonaro, cujo nome do meio é Messias, fala pouco sobre o que faria como presidente, além de restaurar o direito e a ordem. Recentemente, admitiu em uma entrevista ter um “entendimento superficial” de economia.

O potencial candidato possui algumas opiniões convencionais, como a de realizar uma reforma gradual da cara Previdência Social brasileira. Outras, são menos convencionais, como liberar leis de controle de armas e restringir o investimento chinês no Brasil. A The Economist conta que a opinião pública se tornou mais militante e que a influência do conservadorismo tem mostrado crescimento.

Cerca de mil pessoas se juntaram a uma “marcha cristã para o Brasil” em 16 de outubro, em São Paulo. Alguns empunhavam bandeiras que exigiam que os militares assumissem o país. Bolsonaro, que foi batizado no rio Jordão no ano passado, atrairá o apoio dos evangélicos.

Eles constituem o quinto da população, de acordo com o recenseamento realizado em 2010 – três décadas antes, eram um em cada 15.

Veja Também  Bolsonaro denuncia bloqueio de convites para curtir sua página no Facebook

A raiva com a economia, o crime e a corrupção aumentarão o apoio a Bolsonaro, prevê a publicação. Apesar de uma recente recuperação do crescimento econômico, a taxa de desemprego ainda está alta, em 12,4%, e a pobreza está aumentando. A taxa de homicídio está subindo.

Michel Temer, o atual presidente, sobrevive no cargo apenas porque o Congresso rejeitou duas vezes os recursos dos promotores para julgamento por corrupção. Sua aprovação é de 3%. Apenas 13% dos brasileiros pensam que a democracia funciona bem; um terço queria outro golpe. Quase 60% deseja um presidente de fora de um dos três maiores partidos.Preço pago

Bolsonaro tem uma carreira de 26 anos no Congresso e é agora membro do Partido Social Cristão, que tem apenas 11 dos 513 assentos na Câmara dos Deputados. Ele paga um preço: o dinheiro público para campanhas e horários na televisão e no rádio é distribuído de acordo com a participação dos partidos no Congresso.

“Mas o dinheiro tornou-se menos importante, uma vez que as reformas recentes limitaram as despesas de campanha e proibiram as doações corporativas”, comenta a reportagem. O potencial candidato se orgulha de gastar apenas R$ 1 milhão em sua campanha (em 2014, Dilma gastou 300 vezes mais).

Ele está apostando nas mídias sociais: tem 4,8 milhões de seguidores no Facebook, mais do que qualquer outro político brasileiro, e publica vários vídeos por dia, muitos dos quais são vistos por mais de 1 milhão de pessoas. Sua campanha está bem organizada, na avaliação da The Economist.

Em Belém, ele contratou mulheres para lidar com qualquer manifestante feminina que pudesse aparecer; enviar homens para enfrentá-las poderia produzir uma cobertura de imprensa negativa.

Veja Também  Bolsonaro determina e Petrobras desiste de aumentar preço do diesel

“Bolsonaro é o único candidato honesto que temos”, explica Bárbara Lima, uma voluntária de 27 anos. “Não há provas de que ele é racista ou homofóbico.” Os mais antigos lembram a ditadura militar com carinho. “Minha infância foi um dos momentos mais felizes da minha vida.

Eu tinha liberdade, segurança e saúde”, lembra Tom Meneses. “Então, os socialistas chegaram ao poder”. Apesar da fúria e nostalgia, as probabilidades vão contra Bolsonaro se tornar presidente. Um terço dos brasileiros se nega a votar nele no primeiro turno.

À medida que a economia melhora, menos podem apostar em uma presidência radical, considera a revista. O sistema eleitoral de duas rodadas torna difícil para os extremistas ganharem; em uma segunda volta, a maioria moderada se desvia para o concorrente mais convencional.

“O único candidato com taxas de rejeição mais altas que Bolsonaro é Lula, mas ele pode não ser capaz de concorrer se um tribunal superior sustentar sua condenação”, explicou a publicação. Sua desqualificação tornaria as coisas ainda mais difíceis para o radical do Rio.

Mesmo assim, a forte exibição precoce de Bolsonaro é um sinal de alerta, destaca a The Economist. “Os candidatos de centro devem provar que estão mais bem preparados do que os extremistas para reparar o dano que os políticos fizeram.”

Via : gazetadopovo

Comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui