Jovem negro cria aplicativo que mapeia intolerância religiosa

0
12

O aplicativo Oro Orum, nome que significa Força do Céu na tradição Yorubá, língua de uma etnia africana que hoje compõe alguns países da costa oeste do continente, entre eles a Nigéria, está disponível na playstore para download.

A ferramenta foi desenvolvida por Leonardo Akin, jovem negro de 24 anos e morador de Bangu-RJ, com o objetivo de fortalecer a rede entre os terreiros de Candomblé e Umbanda, e denunciar as violações de direito contra as religiões de matriz africana.

Praticante do Candomblé e integrante da religião yorubana Ifá, Leonardo participou por 3 anos de projetos da UNICEF, e vem utilizando seus conhecimentos tecnológicos como forma de proteger a tradição religiosa afro-brasileira.

“Desenvolvi o Oro Orum vendo a experiência da criação do app “Nós por Nós”, que foi feito no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos EUA. Após pesquisar sobre, conheci a plataforma chamada Thunkable, e comecei a trabalhar”.

A limitação técnica e a dificuldade para se construir um app exigiram pesquisa e ajuda para a conclusão da ferramenta.

“Muitas dificuldades apareceram, desde o aparato técnico até o meu conhecimento. Estudei mais e recorri a um amigo chamado Alex Silva, programador experiente que me auxiliou e desenvolveu grande parte da área de programação”, conta.

O nome da ferramenta é o mesmo de um blog que o jovem tem há 10 anos e de uma página no Facebook, ambas alimentadas por Leonardo Akin com o intuito de proteger as religiões de matriz africana.

O aplicativo, ilustrado com imagens dos orixás e paisagens que recordam a cidade de Salvador, surgiu há 2 meses, depois de Leonardo acompanhar uma série de ataques aos terreiros nas favelas do Rio de Janeiro. Oro Orum foi feito dentro desse contexto com o intuito de mapear, denunciar, registrar, e criar estatísticas sobre os casos de violência contra as religiões de matriz africana.

Veja Também  Microsoft diz que novo Xbox chega ao Brasil antes do Natal

Como funciona?

Para registrar um caso de violência, o usuário deve estar com o botão de localização do celular ligado. A denúncia precisa da definição do endereço, data, hora, contato e o denunciante pode também anexar uma foto ao registro. O nome é opcional para finalizar o processo.

Depois de preencher todas as lacunas obrigatórias, o usuário pode clicar na aba “SOS”, e assim um chamado será enviado, com o endereço e um telefone, via Whatsapp para todos aqueles que compõem a rede Oro Orum. Essa é uma forma de alertar todos no entorno sobre o que está acontecendo, e pedir ajuda, caso necessário.

Há a opção para se colocar quem fez a agressão: autoridade, servidor público, vizinho, parente, evangélico, católico, outro, e qual foi o tipo de violência: injúria, espancamento, invasão, intolerância, racismo, assassinato.

Oro Orum também oferece um mapeamento dos demais casos de violência. É possível ter um panorama geral deles, assim como ver um mapa das violações de direito a partir do tipo de crime escolhido.

Com esses dados, pode-se ter acesso a uma tela com estatísticas, que mostram os casos de violência em determinado espaço, e os tipos de crime efetuados. O gráfico pode se transformar em relatório e ser enviado por email.

Rede e proteção das religiões de matriz africana

Leonardo tem desenvolvido diálogos com o Ministério Público e a Defensoria Pública de alguns estados. Ele acredita que o aplicativo pode ajudar na desburocratização do processo de denúncia e incentivar as pessoas a não se calarem diante desses ataques.

“Oro Orum pode agilizar o processo e dar visibilidade aos casos. Quanto mais órgãos públicos e juristas verem a dinâmica das denúncias, mais e mais denúncias serão feitas, porque as pessoas vão se sentir mais seguras e dispostas a isso”.Oro Orum também tem o potencial de fortalecer a rede de terreiros de Candomblé e Umbanda. As pessoas podem cadastrar os espaços sagrados, os colocar dentro da rede, e assim os tornar mais protegidos de qualquer violação de direitos.

Veja Também  Astrônomo desmente mitos de que homem não teria ido à Lua

Nas seções do aplicativo, o usuário consegue acesso a trechos da legislação brasileira que garantem a liberdade religiosa no país. As consequências do aplicativo ainda são imensuráveis. Leonardo acredita que o retorno será positivo, mas pensa que é preciso dar tempo para se avaliar o trabalho.

Serviço

Site: www.oroorum.com
Contato: contato@oroorum.com
Tamanho do aplicativo: 4,7 Mega Bytes
Telefone para contato: (21) 98998 1880

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here