Bebê que estava morto ‘ressuscita’ após orações; Veja o vídeo

Os pais de um menino de 1 ano e cinco meses fortaleceram sua fé depois que seu filho sobreviveu a um afogamento, no Rio de Janeiro. O acidente aconteceu em 24 de agosto de 2017 na piscina que fica na área externa da residência da família.

“Meu filho simplesmente cegou a todos nós e quando demos falta dele, minha filha o achou boiando na piscina”, contou ao site Extra a mãe do menino, Mycaelle Feitosa, de 29 anos.

“Foi por questão de minutos, por um descuido, o portão estava aberto e ele entrou”, acrescenta o pai da criança, George Bretas, de 38 anos.

O pequeno Jorginho foi levado por um casal que estava passando na rua para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, na Zona Norte do Rio.

No caminho, uma enfermeira que chegava do plantão ajudou o bebê com massagem cardíaca. “Deus já foi preparando cada detalhe”, conta Mycaelle.

“Lá [no hospital] meu filho chegou morto e quando os médicos já tinham desistido e a enfermeira veio me trazer a roupinha dele no saco transparente, eu nem esperei pra ouvir o que ela ia falar”, descreveu Mycaelle no Facebook.

“Pedi a um amigo que me levasse até a igreja que eu frequentava de vez em quando, só que estava fechada. Fui em outra que era mais adiante. Cheguei chorando, a irmãzinha da porta me abraçou e perguntou o que houve.

Entreguei a sacolinha com a roupa molhada do meu filho e disse para ela assim: ‘Me ajuda! Meu filho está morto’”, conta a mãe.

“Pararam o culto e começaram a interceder pela vida do meu filho. Me ajoelhei e pedi a Deus misericórdia que trouxesse meu filho de volta e sem sequelas. Refiz minha aliança com Deus, pois reconheci que sem Ele não somos nada.

Veja Também  Menino de 13 anos morre após ficar uma hora submerso em cava

Saindo da igreja, encontrei com o pastor da igreja que eu estava frequentando, ele me abraçou e fez uma oração comigo”, Mycaelle relata.

Os médicos conseguiram reanimar Jorginho, mas descartaram grandes possibilidades de vida. Devido a falta de recursos para exames específicos no Hospital Carlos Chagas, a criança foi transferida para o Hospital e Clínica de São Gonçalo, na Região Metropolitana. “Todos tratavam meu filho como morto”, disse Mycaelle.

Jorginho permaneceu em coma por mais de 80 dias e foi encaminhado para o Prontobaby Hospital da Criança, na Tijuca, onde chegou a receber transfusão de sangue.

Após quatro meses de internação, ele se tratando em casa, onde está avançando nos tratamentos e já acordou do coma. “Com muita ajuda já iniciamos com a fisioterapia respiratória e neurológica e ele está reagindo muito bem”, disse a mãe.

“Mesmo com todo esse sofrimento, Deus está modificando a nossa família, trabalhou na união e no companheirismo, nossa família tem sido outra. Deus muda, se não for pelo amor, é pela dor”, avalia Mycaelle.

“Nossos filhos não são nossos, Ele nos empresta para podermos sentir um pouco desta emoção de sermos pais. Pedi a Deus para deixá-lo comigo, mas independente do que Ele resolver… se Deus quiser, Ele é Deus, se não quiser, Ele é Deus”.

A família têm mobilizado o Facebook com a história de Jorginho, através da página “Força e fé Jorginho”, onde relata a batalha do tratamento e o dia a dia do menino. Foi criada também uma “vaquinha online” que tem arrecadado dinheiro para arcar com o tratamento da criança.

Veja o vídeo

Comentar

Tags

Mauricio Dias

Nada "além" do compromisso com a informação | Jornalismo independente

Artigos relacionados

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios