STJ autoriza posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) , ministro Humberto Martins, suspendeu, neste sábado (20), a decisão do juízo da 4ª Vara Federal de Niterói que impedia a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no posto de ministra do Trabalho.

A posse havia sido barrada pelo juiz federal Leonardo da Costa Couceiro, com base no artigo 4° da Lei da Ação Popular, pelo fato de a parlamentar contar com condenações na Justiça trabalhista, o que feriria o princípio da moralidade administrativa, que consta do artigo 37 da Constituição Federal.

Após a posse ter sido suspensa em primeira instância, com posterior manutenção da decisão pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), a Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou pedido de suspensão de liminar no STJ.

No exercício da presidência da Corte, devido ao recesso forense, o ministro Humberto Martins acatou os argumentos da AGU, por entender que condenações em ações trabalhistas não impedem Cristiane de assumir o cargo, pois não há dispositivo legal específico que preveja tal determinação.

“Ocorre que em nosso ordenamento jurídico inexiste norma que vede a nomeação de qualquer cidadão para exercer o cargo de ministro do Trabalho em razão de ter sofrido condenação trabalhista”, anotou o ministro.

O conteúdo da decisão em sua integralidade ainda não foi divulgado pelo STJ.

O vice-presidente do STJ, que assumiu nesta quinta-feira (18) o plantão judiciário, substituindo a presidente Laurita Vaz, é visto pela equipe do Planalto como um ministro de mais diálogo e de posições mais ponderadas.

Na semana passada, a equipe do presidente havia recebido o aceno de que a presidente Vaz tenderia a manter a suspensão da posse.

O recurso ao STJ foi também uma maneira de evitar que o caso seja analisado pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

Veja Também  Ministro do STJ nega pedido de defesa contra prisão de Lula

Na semana passada, Temer também recebeu sinais de que a tendência de Cármen é manter a suspensão da posse.

O assunto foi tratado em reunião realizada neste sábado (20) no Palácio da Alvorada entre o presidente Michel Temer, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e o subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha.

No recurso, representando o governo federal, a AGU alega que decisão judicial que barrou a posse de Cristiane estava interferindo “drasticamente” no poder Executivo, provocando “danos à gestão governamental”, risco ao Ministério do Trabalho, e “grave lesão à ordem pública”, além de desrespeitar ato privativo do presidente da República.

Enroscos

Cristiane Brasil foi indicada para o cargo pelo próprio pai, o ex-deputado Roberto Jefferson, delator do mensalão e condenado pela Justiça.

A posse foi suspensa pela Justiça no dia oito de janeiro e o governo colecionou três derrotas no TRF-2 antes de recorrer ao STJ.

Além de duas condenações trabalhistas e das suspeitas de ter usado dinheiro da conta de uma funcionária lotada em seu gabinete na Câmara para pagar a condenação trabalhista, Cristiane foi citada na delações da Odebrecht.

Segundo um dos delatores, ela teria recebido R$ 200 mil em espécie não contabilizados em uma campanha para vereadora.

Suplente

Se Cristiane realmente assumir o cargo, quem vai ocupar a cadeira deixada por ela na Câmara é Nelson Nahim (PSD-RJ), que já foi condenado a 12 anos de prisão por exploração sexual de menores.

Nahim é irmão do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho.

Fonte: gazetadopovo.com

Comentar

Tags

Mauricio Dias

Nada "além" do compromisso com a informação | Jornalismo independente

Artigos relacionados

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios