Vereadores de Londrina recebiam vantagens para beneficiar empresas em mudanças de zoneamento

Vereadores recebiam propina para beneficiar empresas na mudança do zoneamento urbano

0
223
(Foto: Reprodução/CML)

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou nesta quarta-feira (24) a operação ZR3, que visa desarticular uma associação criminosa envolvendo agentes públicos e privados.

As investigações apontam que eles facilitavam mudanças nas lei de zoneamento urbano e receberiam vantagens indevidas por meio da contratação de serviços.

Neste primeiro momento, 11 pessoas estão sendo investigadas, entre elas os vereadores Mário Takahashi (PV), presidente da Câmara, e Rony Alves (PTB). Ambos foram afastados dos cargos por 180 dias por determinação da Justiça.

Os outros investigados, além dos vereadores, são Luiz Guilherme Christino Alho (empresário e membro do Conselho Municipal da Cidade); Ignes Dequech (ex-presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina e membro do Conselho Municipal da Cidade); Cleuber Moraes de Brito (ex-secretário do Meio Ambiente, professor da Universidade Estadual de Londrina e membro do Conselho Municipal da Cidade); Evandir Duarte de Aquino (chefe de gabinete de Rony Alves); Ossamu Kaminagakura (servidor de carreira da prefeitura, lotado na Secretaria de Obras); Brasil Filho Teodoro Mello de Souza (empresário); Vander Mendes Ferreira (empresário); José Castro Neto (empresário); e Homero Vagner Fronja (empresário).

Segundo o Gaeco, o grupo estava estruturado dentro da administração pública para facilitar a alteração de zoneamento da área urbana de Londrina, mudando de industrial para residencial.

A propina era capitaneada por meio de serviços prestados por empresas ligadas aos investigados junto a empresários, na realização do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV).

Os orçamentos e valores pagos eram superfaturados. Em um dos casos, o serviço que custaria entre R$ 24 e R$ 27 mil foi feito por esta assessoria técnica por R$ 100 mil.

Veja Também  Homem que estava sendo sequestrado grita por ajuda e é resgatado

Os parlamentares faziam, de acordo com o Gaeco, o convencimento para os interessados nas mudanças contratarem os serviços com os valores acima do cobrado pelo mercado. Ainda não é de conhecimento das autoridades as quantias totais pagas.

As investigações começaram em fevereiro de 2017 e correspondem ao período de 2013 a 2017. Delegado do Gaeco, Alan Flore informou que não está descartadas as participações de outros agentes públicos.

“A investigação está em aberta, pode ser que novas pessoas possam ser investigadas e que surjam fatos novos, como pode ser que não”, informou. Ao todo, 25 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, sendo que alguns aconteceram nos gabinetes de Takahashi e Alves, na Câmara Municipal.

Prisão

O requerimento inicial do Ministério Público do Paraná (MP-PR) era para que acontecesse a prisão preventiva ou temporária dos investigados. Porém, o juiz Délcio Miranda da Rocha, da 2ª Vara Criminal de Londrina, optou para que todos usassem tornozeleira eletrônica.

Eles deverão comparecer até esta quinta-feira (25) para a instalação do equipamento. Se isso não acontecer, poderão ser tomadas outras medidas, como a conversão em prisão.

Comentar