Lula pode pedir asilo em outro país para evitar a prisão

Até onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva iria para evitar a própria prisão?

0
152
(Foto/Reproduçao: NELSON ALMEIDA/AFP)

Com a condenação em segunda instância confirmada no caso do tríplex no Guarujá, Lula pode ter a prisão decretada para começar a cumprir sua pena depois de encerrados os recursos no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre.

Para evitar o cárcere, a defesa aposta em recursos para instâncias superiores, mesmo com poucas chances de uma decisão favorável.

Outra alternativa especulada é a tentativa de conseguir um asilo político para o ex-presidente em uma embaixada.

O PT não menciona qualquer movimentação em busca de asilo e continua apostando suas fichas em uma candidatura de Lula à presidência da República, mesmo condenado e, em tese, impedido de disputar eleições pela Lei Ficha Limpa.

Em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo neste domingo (4), o jornalista Elio Gaspari especula que Lula pode evitar a prisão buscando um asilo político.

“Considerando-se perseguido político, conseguiria essa proteção em pelo menos duas embaixadas, a da Bolívia e a do Equador.

Pedir proteção aos cubanos ou aos venezuelanos só serviria para queimar seu filme”, escreveu Gaspari.

De fato, o direito internacional prevê que perseguidos políticos podem buscar asilo em outros países para evitar a perseguição em seu país de origem.

“É uma forma de proteger em nome de um direito humanitário, preservar a ideia, preservar o contraditório.

Se faz isso exatamente para a proteção do indivíduo”, explica o professor de direito internacional da PUC-PR Luiz Carta Winter.

Segundo Winter, para conseguir um asilo diplomático, o ex-presidente teria de chegar a uma embaixada por seus próprios meios e pedir asilo diretamente ao embaixador.

Caso tenha o benefício concedido, não poderia deixar o local e nem se manifestar politicamente. Para deixar o Brasil, Lula precisaria de um salvo conduto concedido pelo governo brasileiro.

Veja Também  Juiz declara que viagem de Dilma para visitar Lula não foi oficial

“O asilo diplomático é um instrumento do direito internacional que pode ser usado para os que são efetivamente perseguidos políticos, mas você tem que demonstrar que é efetivamente perseguido político”, observa Winter.

A estratégia, porém, é quase inexequível no caso de Lula por causa de um detalhe técnico:

quem concede o asilo diplomático é o embaixador, pessoalmente, e não a embaixada. Por isso, o caso do ex-presidente teria um complicador: “Ele poderia pedir asilo em países que tenham proximidade ideológica com o que ele defende, mas a condição é que tem que estar o embaixador.

Como eles os países mais ideologicamente alinhados com Lula alegam ter havido um golpe no Brasil, uma forma de protesto é retirar o embaixador desses países”, explica Winter.

Outra opção seria um asilo territorial, mas, nesse caso, Lula teria que viajar ao exterior e se declarar um refugiado político para pedir asilo em outro país.
Condenação

Lula teve sua pena no caso do tríplex no Guarujá aumentada de 9 anos e meio para 12 anos e um mês de prisão em janeiro.

Com o atual entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), a partir de uma condenação em segunda instância, como foi o caso de Lula, os réus já podem ser presos para começar a cumprir pena.

A defesa entrou com um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para tentar evitar a prisão, mas teve o pedido negado liminarmente.

Os ministros da 5.ª Turma do STJ ainda devem analisar o mérito do pedido. Os advogados podem, ainda, entrar com o mesmo pedido no Supremo Tribunal Federal (STF).

Fonte: gazetadopovo.com