Prefeito de Londrina admite falha em cobrança no IPTU da própria casa

Belinati diz que não sabia de cobrança errada em seu IPTU

0
155
(Foto: Reprodução/Facebook)

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati (PP), falou em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (9) pela primeira vez desde a polêmica que envolve o valor do IPTU de onde mora, que é alvo de investigação no Ministério Público (MP). Além de não pagar taxa de coleta de lixo, o chefe do executivo paga menos imposto do que deveria, já que a quantia cobrada é pela área do condomínio Village Premium e não por cada imóvel, o que faz com que a cobrança seja dividido entre os moradores. O IPTU de Belinati é de aproximadamente R$ 1.500. A avaliação do metro quadrado no condomínio deveria ser de R$ 500, porém a lei que estabeleceu os reajustes colocou o valor de R$ 200.

Marcelo Belinati garantiu que não sabia da cobrança errada no seu IPTU e que quando soube, ao chegar o novo carnê, chamou imediatamente os técnicos da Secretaria de Fazenda para identificarem o problema. “Recebi a informação do meu IPTU, achei estranho, pois tinha um aumento percentual de 57%.

Entendia que poderia ser um valor maior. Ainda no dia 15 de janeiro (quando recebi o carnê), chamei os técnicos. Determinei que fizessem o levantamento e iniciassem o procedimento para regularização. Criei um grupo de trabalho, para que vissem não só o condomínio que eu moro, mas outros em situação similar”, se defendeu.

Ele ainda respondeu a questionamentos do motivo de não ter dado publicidade ao caso logo que tomou ciência, vindo fazer isto somente depois de manifestação do MP. “Fui perguntado apenas uma vez do valor do meu IPTU, em uma entrevista a uma emissora de rádio de Londrina agora (em referência a participação no Paiquerê Rádio Opinião do dia três de fevereiro).

Veja Também  ACREDITE: Collor anuncia que é pré-candidato à Presidência da República pelo PTC

Isto mais de 15 dias depois de instalados os procedimentos de busca de informações, notificação do condomínio e realização de vistoria. Precisava identificar o valor correto antes. Deveria ter falado e disso me arrependo. Entendi que naquele momento ia criar muito mais problemas do que soluções”, elencou. Na participação na Paiquerê, o prefeito foi perguntado diversas vezes quando pagava de imposto, porém se esquivou em todas.

  • Taxa de lixo

Sobre a taxa de lixo, Belinati disse que vários condomínios estão com problemas iguais e justificou isso ao pouco efetivo de servidores para fiscalização. Durante a coletiva, ele voltou a falar em várias oportunidade que a atualização da Planta Genérica de Valores (PGV) era necessária, culpou os prefeitos anteriores pela situação que assumiu a prefeitura e foi enfático ao declarar que não teve nenhuma atitude ilícita.

“Isso que está acontecendo não é condizente com a minha história de vida. Do médico, do pai de família, do filho e do profissional da vida pública. Não é compatível”, salientou. “Tenho grande respeito pelo Ministério Público e estou à disposição para todo e qualquer esclarecimento”.

  • Improbidade administrativa

O promotor do Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria), Renato de Lima Castro, seu sinais nesta semana que deve indicar que Marcelo Belinati cometeu ato de improbidade administrativa.

Entre as sanções previstas pode estar um pedido de abertura de processo de cassação do mandato na Câmara. “Toda e qualquer investigação deve ser procedida. A vida pública é isso. Se existe dúvida ela precisa ser esclarecida. É importante colocar que o aumento médio do IPTU foi de 66%”, defendeu.