STJ nega habeas corpus a Lula e confirma fama de ‘câmara de gás’ da 5.ª Turma

Por unanimidade de votos, a 5.ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu rejeitar o pedido de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em julgamento nesta terça-feira (6), em Brasília.

Condenado no processo do tríplex do Guarujá, o petista tentava obter uma decisão judicial favorável que impedisse a sua prisão antes do trânsito em julgado da ação, ou seja, o julgamento dos recursos a que tem direito em tribunais superiores.

Lula pode ser preso assim que o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, se manifeste sobre os embargos de declaração contra a condenação dele, o que deve ocorrer até abril.

O ex-presidente foi condenado pelo juiz federal Sergio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex e teve a condenação confirmada pela 8.ª Turma do TRF-4, em segunda instância, que elevou a pena para 12 anos e um mês de prisão.

Os desembargadores do tribunal recomendaram ainda a execução da pena assim que for encerrado o trâmite processual no TRF-4. No julgamento desta terça, todos os cinco ministros do colegiado votaram contra o pedido do ex-presidente.

O ministro Felix Fischer, relator da Lava Jato no STJ, abriu a votação rejeitando os argumentos da defesa do petista.

O relator citou uma longa jurisprudência do STJ e do Supremo Tribunal Federal (STF) e destacou em diferentes trechos de seu voto que a análise de fatos e provas se encerra, em tese, na segunda instância judicial – no caso de Lula, no TRF-4.

“Não se vislumbra a existência de ilegalidade na determinação de que o paciente [Lula] venha a cumprir pena após o julgamento dos recursos ainda pendentes em segundo grau”, afirmou Fischer.

Veja Também  Gaeco aponta vereadores de Londrina como líderes de esquema de corrupção

Fischer não se sensibilizou com a tese defendida pela defesa: de que o direito fundamental de presunção de inocência, garantido pela Constituição, do ex-presidente será ferido com o início da execução da pena antes do julgamento de todos os recursos cabíveis.

“O que se pretende com o habeas corpus é a reafirmação do princípio constitucional básico da presunção de inocência, que serve e protege qualquer cidadão”, disse advogado Sepúlveda Pertence, ex-presidente do STF, que defendeu Lula na tribuna.

Segundo o defensor, há uma “falaciosa pressão de órgãos importantes da mídia para forçar a sua condenação”.

Acompanharam o voto do relator os ministros Jorge Mussi, Reynaldo Fonseca (presidente da 5ª Turma), Marcelo Ribeiro Dantas e Joel Paciornik.

O julgamento desta terça no STJ se referia apenas ao habeas corpus preventivo. O recurso referente ao mérito do processo, em que a defesa deve pedir a absolvição do petista no caso tríplex, ainda não chegou ao tribunal.

Com a rejeição do habeas na 5ª Turma, resta ao ex-presidente aguardar a manifestação do STF, onde também tramita um recursos para evitar a prisão dele.

O pedido já foi negado liminarmente pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Suprema Corte.

  • Entenda a condenação no caso tríplex

Segundo o Ministério Público Federal, Lula teria recebido propinas da OAS por contratos da empreiteira com a Petrobras através da compra e reforma de um tríplex no condomínio Solaris, no Guarujá, litoral de São Paulo.

Lula nega que seja o dono do apartamento, mas já foi condenado em primeira e em segunda instância no caso.

A condenação no TRF-4 também pode impactar no futuro político do petista, já que, pela Lei da Ficha Limpa, candidatos condenados por um tribunal colegiado não podem concorrer na eleições.

Veja Também  Deputado presidiário dá voto simbólico na denúncia contra Temer

Apesar da condenação, o PT garante que vai registrar a candidatura do ex-presidente, em agosto, e entrar com recursos na Justiça Eleitoral para mantê-lo na disputa.

Fonte: gazetadopovo.com

Tags

Related Articles

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker