Mãe acusada de simular abandono em rua de Curitiba é afastada da filha pela Justiça

Justiça afasta de filha mãe acusada de simular seu abandono na rua

0
160
Mulher foi flagrada deixando a filha para trás em rua de Curitiba (Foto: Reprodução/RPC)

A mãe acusada de simular o abandono da filha de cinco anos no bairro Novo Mundo, em Curitiba, em janeiro deste ano, foi afastada da criança por ordem da Justiça.

A informação foi confirmada ao G1 pelos advogados de defesa dela, Igor José Ogar e Dyogo Cardoso, nesta quinta-feira (22).

Não há detalhes da decisão, porque o processo corre em segredo. Para eles, os fatos apurados não foram totalmente avaliados.

“(…) a principal preocupação destes advogados é para com o bem da infante criança, para tal se providenciará todo o necessário à manutenção do vínculo familiar que nunca se rompeu e não pode ser rompido por uma decisão liminar que não avaliou a totalidade dos fatos apurados, a mencionar que, sequer o inquérito policial, está devidamente juntado aos autos até o momento que fora proferida tal decisão”, divulgaram os defensores em nota.

Vídeos divulgados pela polícia flagraram a mulher deixando a criança para trás, enquanto acelerava o carro.

A filha chora, grita pela mãe e corre atrás do veículo. Conforme a investigação, o objetivo era causar um castigo e não de abandonar a menina.

Pelo fato, a acusada responde criminalmente por tortura-castigo e ameaça, conforme inquérito policial entregue à Justiça pelo delegado-adjunto do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), José Barreto de Macedo Junior.

Os advogados de defesa afirmam que vão pedir a revisão da decisão de afastamento.

“Outrossim, a menor reside com a mãe desde o seu nascimento até a presente data e já alcança 05 (cinco) anos de idade e nunca fora objeto de qualquer agressão em qualquer nível a ponto de ser necessário seu afastamento da pessoa que ela mais ama e lhe traz segurança, sendo a medida, uma nova reiteração de sofrimento e dor”, justificaram.

Veja Também  Idoso de 67 anos é agredido por PM em Ceilândia, no DF

Fonte: G1

Comentar