Demora por cirurgia faz menino de 2 anos perder metade da visão

Necessidade de uma cirurgia já foi comunicada à rede pública de saúde em Cachoeiro, mas nada ainda foi feito

0
163
Mãe disse que Daniel perdeu metade da visão por causa do problema (Foto: Matheus Martins/TV Gazeta)

Desde que nasceu, o menino Daniel Nunes, de dois anos, sofre com vários problemas de saúde, mas um tem tirado o sono da mãe Eliane. Desde que foi diagnosticado com Ptose Palpebral Congênita, ele já perdeu metade da visão e a necessidade de uma cirurgia já foi comunicada à rede pública de saúde em Cachoeiro de Itapemirim, mas nada ainda foi feito. Daniel tem um atraso no desenvolvimento, não fala e anda com dificuldade. Mas a dificuldade em enxergar atrapalha ainda mais. A mãe contou que o diagnóstico foi rápido.

  • Foi uma surpresa

Ao nascer, já reparei que ele tinha nascido com uma diferença, um fechado e outro aberto. Ele demorou uns 15 dias para abrir os olhos, levei ele no pediatra e foi quando a gente começou a suspeitar dos problemas. Ele me encaminhou para outra médica. Foi comprovado o estrabismo e a ptose, e que ele tinha que operar em até no máximo dois anos. Até hoje não saiu, desde 2015, tô na espera ainda”, disse a mãe Eliane Nunes.

Por causa da Ptose Palpebral Congênita, a pálpebra cobre parte da visão do menino e vai impedindo que ela se desenvolva. Segundo especialistas, se a cirurgia for feita cedo, antes de idade escolar, as chances de a criança recuperar a visão é grande. Em dezembro de 2017, a família entrou com mais um pedido de cirurgia. “Quanto mais eu espero, mais vai se agravando, mais porcentagem da visão ele vai perdendo”, disse a mãe.

No ano passado, Eliane chegou a pesquisar o preço da cirurgia na rede particular: R$ 4 mil. Mas além de ela não ter esse dinheiro, acredita que o valor já tenha aumentado esse ano. “É difícil. A gente tinha um pouco de esperança, mas já estamos indo para o mês de abril e nada”, disse.

Veja Também  Pessoas que nunca tiveram dengue não devem tomar vacina da doença

A reportagem procurou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), que não deu resposta sobre cirurgia, mas disse que está agendando uma consulta para Daniel e que a família será comunicada. Uma previsão de data para a cirurgia também não foi informada.

Com informações G1