Justiça decreta prisão preventiva de padrasto suspeito de matar bebê

Pedido havia sido feito pela delegada responsável pelo inquérito, concluído nesta semana. Suspeito já estava preso temporariamente.

0
283
Bebê de seis meses morreu por asfixia mecânica, segundo laudo do IML (Foto: Arquivo pessoal)

A Justiça decretou a prisão preventiva do padrasto suspeito de matar um bebê de 6 meses em Bauru (SP). O pedido havia sido feito pela delegada Priscila Bianchini, responsável pelo caso, na última quinta-feira (12) e foi acatado pela Justiça.

Agora o suspeito, Bruno Miziara de Abreu, de 26 anos, deve permanecer preso até o julgamento, que ainda não tem data para ocorrer. Ele já estava preso temporariamente.

O inquérito foi concluído nesta semana e Bruno foi indiciado por homicídio duplamente qualificado, por asfixia e por impossibilidade de resistência da vítima.

A vítima, Orlando Oliveira de Araújo, morreu no último dia 7 de março. Ele estava sob os cuidados de Bruno enquanto a mãe, Marcela, trabalhava.

Na época, o suspeito afirmou que o bebê dormia na cama do casal e teria se enrolado em um cobertor.

No entanto, o laudo do IML apontou que a criança morreu por asfixia mecânica, quando é provocada por algum agente externo.

O bebê chegou a ser levado por um tio para o quartel da Polícia Militar que fica perto da casa da família. E depois para a UPA do Núcleo Geisel onde teve outra parada cardíaca e não resistiu.

A família do bebê não acreditou na versão de Bruno e a mãe de Orlando, Marcela de Oliveira Grecchi contou ainda que antes da morte do filho, o padrasto já havia apresentado sinais de agressividade.

A Polícia Civil fez a reconstituição do dia da morte de Orlando no final do mês passado. Já preso, o padrasto não quis participar.

Com informaçoes: G1

Comentar

Veja Também  Justiça cassa mandatos de prefeita e vice por compra de voto com cachaça na PB