Collor diz que Bolsonaro foi ‘feroz e desrespeitoso’ com Cuba

91
Foto: Reprodução/Estadão conteúdo-Fernando Collor e Jair Bolsonaro

Fernando Collor de Mello, presidente da Comissão de Relações Exteriores, disse nesta sexta-feira (16) que a política externa brasileira “não pode sofrer nenhuma mudança radical” pelo governo Jair Bolsonaro.

Numa crítica ao presidente eleito e ao futuro chefe do Itamaraty, o diplomata Ernesto Araújo, o ex-presidente Collor diz que “a busca do consenso (com outros países) não se coaduna com declarações ferozes e desrespeitosas”.

A referência de Collor é, em parte, às declarações de Bolsonaro sobre a ditadura de Cuba, que foram utilizadas como justificativa para o país a se retirar do programa Mais Médicos.

O ex-presidente diz que o diplomata Ernesto Araújo enfrentará muitos desafios diplomáticos. Ele avaliou:

Espero que, com a escolha do novo chanceler, não tenhamos mais atitudes intempestivas como essas. Porque isso aumenta o nível da insegurança internacional. O Brasil tem uma política externa admirada no mundo. Esses fatos recentes geram incertezas muito prejudiciais à imagem do país.

Com informações: Renova Mídia

Veja Também  Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança