PGR diz que crimes cometidos por Pezão continuavam sendo praticados

0
48

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse hoje (29), após a deflagração da nova fase da Lava Jato que resultou na prisão do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), que o pedido do Ministério Público foi feito porque os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro estavam em andamento.

“Um dos crimes é organização criminosa e as informações da Lava Jato são no sentido que esta organização continua atuando especialmente na lavagem de dinheiro, crime cometido após a corrupção para ocultar onde o dinheiro está”, disse em entrevista em Brasília.

Diante da prisão de um governador em exercício, Dodge falou sobre a operação que tem como principal alvo Pezão, para “garantir a ordem pública, paralisando a prática de organizações criminosas em curso”. Segundo ela, foram identificadas treze infrações criminosas muito graves que continuavam sendo praticadas e “precisavam ser interrompidas”.

Ao lembrar que o patrimônio público é composto por impostos pagos por todos os brasileiros, Dodge destacou a necessidade de dar resposta rápida à corrupção. “Por isso, este crime deve ser combatido com ênfase necessária para cessar atos de corrupção”.

Além das prisões preventivas, Raquel Dodge lembrou que foram expedidos 30 mandados de busca e apreensão. “Requeri várias medidas cautelares, de busca e apreensão e sequestro de bens para que haja o devido ressarcimento ao erário público”, afirmou.

O valor sequestrado soma R$ 39 milhões. “Tenho ressaltado a necessidade de recomposição do dano. É um dinheiro oriundo de impostos cobrados da população. Por esta razão que crimes dessa natureza são extremamente graves”, argumentou. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o governador do Rio cometeu crimes contra a administração pública, entre eles, corrupção e lavagem de dinheiro.

  • STJ expediu mandados de prisão

A ordem para que a Polícia Federal cumprisse este e outros oito mandados de prisão foi expedida pelo ministro relator do caso, Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a um mês de terminar o mandato de Pezão.

Veja Também  PGR apresenta ao Supremo nova denúncia contra Lula, Gleisi, Paulo Bernardo e Marcelo Odebrecht

“Houve uma sucessão de pessoas partícipes dessa organização criminosa e, mesmo depois das prisões dos que lideravam o esquema criminoso, houve nova liderança e neste sentido as investigações apontam para o atual governo do Rio que teria assumido essa liderança”, disse.

Também foram presos nesta quinta-feira o secretário de Obras do Rio, José Iran, e operadores financeiros ligados a Pezão.

Outros alvos são Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz, secretário de Governo; Luiz Carlos Vidal Barroso, servidor da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, e Marcelo Santos Amorim, sobrinho do governador, Cláudio Fernandes Vidal, sócio da J.R.O Pavimentação; Luiz Alberto Gomes Gonçalves, sócio da J.R.O Pavimentação; Luis Fernando Craveiro de Amorim e César Augusto Craveiro de Amorim, ambos sócios da High Control.

  • Mesada de R$ 150 mil, 13º salário e bônus

A operação tem como base a delação do economista Carlos Emanuel Carvalho Miranda, ex-operador do ex-governador Sérgio Cabral e delator premiado que detalhou o esquema que teria garantido uma mesada de R$ 150 mil a Pezão, entre 2007 a 2014, período que era vice-governador. De acordo com Miranda, ele tinha direito a 13º salário e a dois bônus, cada qual no valor de R$ 1 milhão.

Pezão também foi citado em delações do doleiro Álvaro José Novis e do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) Jonas Lopes de Carvalho Filho, que disse ter arrecadado R$ 900 mil para pagar despesas pessoais do governador hoje preso.

O dinheiro teria vindo de empresas de alimentação com contrato com estado e da Fetranspor – Federação das Empresas de Transportes do Rio de Janeiro. Um funcionário do doleiro Álvaro José Novis afirmou em uma delação que pagou propina de R$ 4,8 milhões a Pezão. Edimar Dantas contou aos procuradores que foram cinco pagamentos em 2014 e 2015.

Veja Também  Como uma fórmula escondida num arquivo cifrado ajudou a Lava Jato a denunciar Lula

Os advogados Daniel Raizmn e Fernanda Freixinho que fazem a defesa de Carlos Miranda, reafirmaram o compromisso do seu cliente de dizer toda a verdade com relação as operações de propinas que ocorriam no grupo liderado pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral. A defesa ratificou os termos da delação de Miranda “como sendo expressão da verdade, baseado em tudo que ele vivenciou na época que colaborava com o governo do estado”.

  • Perfil

Pezão é economista, tem 63 anos e nasceu no município de Piraí, no sul do Rio. Em 1982, assumiu o primeiro cargo, como vereador da Câmara Municipal de Piraí, posição que ocupou por dois mandatos. Em 1996, chegou à prefeitura de Piraí, eleito prefeito com 75% dos votos válidos. Foi reeleito quatro anos depois.

Foi subsecretário de Governo e Coordenação na gestão de Rosinha Garotinho. Em 2006, compôs a chapa de seu principal padrinho político, o ex-governador Sérgio Cabral, que também está preso. Com a vitória da chapa, Pezão assumiu o cargo de vice-governador e atuou ainda como secretário de Obras. Entre 2011 e 2014, continuou no cargo após a reeleição da chapa com Cabral.

Em abril de 2014, no último ano do governo, Sérgio Cabral renunciou ao cargo e Luiz Fernando Pezão assumiu a posição de governador. No mesmo ano, Pezão se candidatou ao governo do estado e, mesmo com a crise econômica anunciada no Rio, venceu a disputa eleitoral para governar até 2018.

Em 2016, Pezão foi diagnosticado com linfoma. O governador ficou afastado do trabalho por sete meses para tratar o câncer. Seu vice-governador Francisco Dornelles assumiu o cargo e, no mesmo período, decretou estado de calamidade pública, devido à crise financeira no estado. Em outubro de 2016, Pezão retornou ao governo do Rio e, além de enfrentar a questão econômica, precisou explicar para a Justiça as denúncias de corrupção que sofreu após Sérgio Cabral, seu parceiro político, ter sido preso.

Veja Também  Procuradoria se manifesta contra absolvição de Marisa Letícia em caso do tríplex

Com informaçoes: agenciabrasil.ebc.com