Suspeito de erros médicos, ‘Doutor Faz-Tudo’ é afastado de hospital após pedido da Prefeitura de Guaíra

0
130
Foto: Reprodução/Divulgação

O médico Paulo Marcelino Andreolli Gonçalves, conhecido como ‘Doutor Faz-Tudo’, foi afastado pela direção do Hospital AssisteGuaíra, em Guaíra, no oeste do Paraná. Pelo menos 33 pessoas dizem que tiveram complicações graves depois de cirurgias feitas com o médico.

A decisão atende um pedido feito pelo prefeito Heraldo Trento na sexta-feira (18) após denúncias de erros médicos atribuídos ao profissional feitas à Ouvidoria do Município. O afastamento foi confirmado nesta segunda-feira (21) pelo hospital e pela prefeitura.

O doutor Paulo era diretor clínico do único hospital da cidade, que é particular e tem convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, ele foi substituído pelo irmão, também clínico geral, Odilon Gonçalves.

Apesar de não ter nenhuma especialidade médica, o doutor Paulo, segundo a direção, foi responsável por mais de 90% das cirurgias feitas no hospital desde que assumiu o cargo de diretor clínico, 2017.

O médico responde vários processos na Justiça. Ele já foi condenado pela morte de um bebê de quatro meses, em 1995, por complicações em uma cirurgia de hérnia, quando atuava em Mato Grosso do Sul.

Em outros cinco processos em que foi condenado, recorreu das decisões.

Em Guaíra, pacientes registraram boletins de ocorrência na Polícia Civil e também levaram as denúncias ao Ministério Público (MP-PR), que abriu quatro procedimentos. A morte de Willian Santin, de 41 anos, depois de fazer uma cirurgia no pé, é uma das três atribuídas ao “Doutor Faz-Tudo”.

“Implorei para que mandassem meu filho para fora. Se ele vê que é grave, mande para alguém que é especializado, não faça”, comentou a mãe, Tânia Santin.

Veja Também  Haddad diz que chegou a hora de tirar partido do SPC

Ela contou que chegou a questionar se o médico era cirurgião.

“Eu perguntei para o secretário se não era um especialista que deveria fazer a cirurgia. O secretário disse que ele era cirurgião e que podia. Da primeira vez eu acreditei, mas depois as pessoas começaram a falar”, completou.

Outro lado

O médico admitiu não ter especialidade e que é apenas clínico geral. Quanto às denúncias, diz que está à disposição para ser investigado. “Se houve negligência da minha parte, estou aí para responder criminalmente e civilmente”, disse.

O doutor Paulo afirmou saber do apelido de “Doutor Faz Tudo” e rebateu justificando que faz tudo o que lhe compete. “Eu faço o que a minha consciência manda, para o bem do paciente”, declarou.

O Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) garantiu que está apurando as denúncias e que, como todas as investigações contra qualquer médico, são mantidas em sigilo.

A direção do Hospital Acesso nega qualquer irregularidade.

“Oficialmente nós não temos estas reclamações por escrito”, afirmou o presidente Galaomylib Silveira Barreto.

Com informações: G1

Comentar