O Japão reconheceu nesta terça-feira (19) Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela e lamentou que o presidente Nicolás Maduro não tenha convocado eleições, como solicitaram diversos países.

“Nosso país pediu eleições antecipadas, mas infelizmente as eleições ainda não aconteceram. Considerando as circunstâncias, nosso país apoia claramente o presidente provisório Guaidó. De novo pedimos ao país que celebre eleições livres e justas”, disse o ministro das Relações Exteriores, Taro Kono.

O reconhecimento do Japão aumenta a pressão internacional contra Maduro.

Quase 50 países reconheceram Juan Guaidó, entre eles, os Estados Unidos e vários países da União Europeia. Já Maduro conta com o apoio de aliados históricos como Rússia, China, Turquia, Irã e Cuba.

Na segunda-feira, o presidente americano, Donald Trump incentivou os militares venezuelanos a aceitar a anistia oferecida por Guaidó e a romper com o governo Maduro.

“Podem escolher entre aceitar a generosa oferta de anistia do [autoproclamado] presidente Guaidó e viver sua vida em paz com suas famílias e seus compatriotas”, disse Trump a quase 300 venezuelanos em Miami, referindo-se aos militares.

“Ou podem escolher o segundo caminho: continuar apoiando Maduro. Se optarem por este caminho, não encontrarão um refúgio, não haverá uma saída fácil. Perderão tudo”, alertou.

Guaidó, que se autoproclamou presidente em 23 janeiro, exigiu que os militares permitam a entrada no próximo sábado da ajuda humanitária, apesar do governo Maduro ter bloqueado a carga por considerá-la um “show” e um pretexto para uma ação militar americana.

Fonte: G1

Comentar

Veja Também  Venezuela dá 'calote' de R$ 820 milhões no Brasil