jovem relata abusos dentro de casa ‘Comer o próprio vômito’:

87

As redes sociais são espaços importantes para a denúncia e resolução de crimes. Eva Luana, uma jovem de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, recorreu ao Instagram para relatar abusos sofridos pelo padastro.

O depoimento é forte e causou comoção. Segundo a moça de 21 anos, a violência se estendeu por oito anos. Houve agressões físicas, verbais, psicológicas e estupros. “Era obrigada a tomar bebidas até vomitar e quando vomitava tinha que tomar o próprio vômito como castigo”.

Eva conta que a por causa dos espancamentos, a mãe deu à luz prematuramente. Os abusos, de acordo com a jovem, começaram quando ela tinha 12 anos. A mãe também sofria na mão do homem. Ela confirmou a versão da filha.

Relato forte e sem precedentes

“Minha mãe apanhou tanto que teve um parto prematuro, meu irmão morreu depois de 6 dias de nascido. Quando ela estava grávida dele, levou diversos chutes e joelhadas na barriga. Ele não queria mais um filho”, relata.

A história parece saída das telas de cinema. Quer dizer, nem o mais premiados dos roteiristas de Hollywood seria capaz de criar algo com tamanha crueldade.

“Ele começou a me abusar sexualmente. Eu tinha nojo, repulsa, ódio e não entendia porque aquilo acontecia comigo. Me sentia uma criança estranha e diferente das outras. Achava que aquilo só acontecia comigo.

Eu tentei por diversas vezes ir para a casa da minha avó, mas ele sempre ligava ameaçando todos, dizendo que iria matar e fazer várias coisas assim. Então era uma prisão sem grade, literalmente”, explica em postagem que acumula milhares de curtidas.

O responsável pelas agressões é apontado como Thiago Oliveira Alves. Paulista radicado na Bahia depois de ter sido preso por roubo de carro em São Paulo. A relação com a mãe de Eva começou aos poucos. Depois de engatar um namoro, entrou na casa da família baiana para ‘passar uns dias’. Não saiu mais.

Veja Também  Frequentadores reclamam de preços cobrados na Expo Londrina

Eva Luana sofreu, mas teve coragem de procurar por justiça. O Estado falhou. Ao 13 anos, ela denunciou o padrasto, mas não recebeu a atenção devida. “O Estado falhou a tal ponto que o meu caso não chegou nem ao Ministério público. Fui obrigada a retirar a queixa por ameaças do meu padrasto”.

O risco de tornar a história pública teve consequências. Depois de ser ignorada pela Justiça, Eva sofreu. “Ali eu perdi a minha alma. E o que eu fui denunciar, 1 ano de sofrimento, se multiplicou em mais 8 anos”.

E saibam, caros leitores, aparências enganam. Enquanto a sociedade olhava para uma ‘família perfeita’, mãe e filha atravessavam um calvário. A agora estudante do sétimo período da faculdade de Direito, foi obrigada a comer uma pizza grande e beber dois litros de refrigerante em 10 minutos. Claro que não conseguiu. O abusador respondeu com socos e chutes.

“Ele enfiou as pizzas na minha boca me chamando de animal, eu vomitei e comi meu próprio vômito. Meu gato comeu um pedaço e lambeu outro, ele me obrigou a comer o que ele havia lambido. Eu apanhei a noite toda e no outro dia eu tinha que fingir que nada havia acontecido”.

A vigilância era constante. Nada de amigos ou namorado. O celular tinha que estar à disposição do agressor. Eva chegou a engravidar dele e abortou mais de uma vez. “Nunca pude ir ao médico pra fazer curetagem. Todas as vezes sangrava e passava mal a noite inteira. Já vi bebês inteiros no vaso sanitário”.

Veja Também  Concurso irá selecionar candidatos para 13 cargos da Prefeitura

Embora machucada e desapontada em níveis inimagináveis, a jovem encontrou o Direito. Eva Luana da Silva será juíza. Ao lado da Justiça, mesmo que a admiração não tenha sido correspondida.

Os sinais de liberdade vieram no início de um estágio no Fórum de Camaçari. Mateus Cascais, que no futuro se tornaria seu namorado, deu a segurança para que Eva Luana pudesse desabafar.

“Ele já tinha tentado se aproximar de mim várias vezes, mas eu sempre dizia: ‘não, não fala comigo’. Mas todos já percebiam que tinha algo de errado”, lembra.

Mateus buscou ajuda da Justiça. Uma queixa foi registrada na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Camaçari, em 30 de janeiro. Eva não voltou mais para casa. Foi acolhida pela professora Maria Cristina Carneiro, hoje sua advogada.

Veja mais em: Meu estilo

Comentar

Loading...