Jean Wyllys é alvo de ovada durante palestra em universidade de Portugal

Dois homens tentaram atirar ovos no ex-deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), nesta terça-feira (26), durante uma palestra dele na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, em Portugal.

Wyllys falava havia cerca de 20 minutos quando um dos homens, que estava sentado na parte mais alta do auditório, se levantou e desceu alguns degraus.

A segurança da faculdade, visivelmente reforçada, logo percebeu a movimentação e fez um cerco ao homem, que tinha um caixa de meia dúzia de ovos.

Ele chegou a arremessar um ovo na direção da mesa onde estava Wyllys, mas que acabou desviado por um segurança do ex-deputado, que subiu no palco do auditório e se colocou na frente.

O professor Boaventura Sousa Santos e outros integrantes do Centro de Estudos Sociais da universidade, responsável pelo evento, estavam na mesma mesa.

Na sequência, um segundo homem também ficou de pé com outra caixa de ovos e foi imobilizado pelos seguranças. Junto com um terceiro, que apontava para Wyllys e participava da ação, foram retirados, sob gritos “tira, tira, tira” e “fascistas não passarão” do público.

Jean Wyllys decidiu em janeiro, conforme antecipou o jornal Folha de S.Paulo, desistir do cargo de deputado federal para o qual havia sido reeleito. Ele atribuiu a decisão a ameaças que vinham sofrendo e disse que passaria a viver no exterior.

Em Portugal, segundo funcionários do auditório onde Wyllys estava, os homens que tentaram jogar ovos no ex-deputado entraram uma hora antes de a palestra começar para garantir lugar. Garrafas de água estavam proibidas, mas, aparentemente, as caixas de ovos nas mochilas não foram identificadas pelos seguranças.

“Não peçam para tirar. Nunca tive medo dos covardes. Qualquer fascista covarde que queira se manifestar, em vez de atirar ovos ou tiros, por favor, vamos aos argumentos. Levantem-se, manifestem-se, falemos”, afirmou Jean Wyllys, logo depois do incidente.

Veja Também  Policiais resgatam criança de 5 anos que caiu em buraco de 3 metros em Jaguapitã

Segundo o ex-deputado, as pessoas que atiraram os ovos “são compostas por esse ódio que não permite a diversidade”. “É um ovo, mas, se tivesse uma arma, era um tiro. Começa dessa forma e terminam executando as pessoas nas ruas. Por isso, é importante o repúdio de todas as instituições”, disse.

Durante a palestra, com o tema “Discursos de ódio e fake news da extrema-direita e seus impactos nos modos de vida de minorias sexuais, étnicas e religiosas – o caso do Brasil”, Jean Wyllys destacou que Bolsonaro explorou os medos e preconceitos das pessoas para vencer a eleição, o que também leva aos ataques que tem sofrido.

“As pessoas fazem pelas fake news, mas também pelo monstro que habita nestas pessoas, que não suportam ver um gay ocupando espaços que, na visão delas, é reservado aos heterossexuais”, destacou.

Segundo ele, sua atuação no Congresso gerava desconforto porque, para muitas pessoas, “os homossexuais são bons quando estão em espaços sem poder, quando esticam, alisam e tingem cabelos num salão de beleza, ou quando são artistas”.

Quase um mês após renunciar a seu cargo político e deixar o país sob ameaças, Jean Wyllys iniciou um giro pelo exterior dando palestras sobre a situação política nacional. Além de Portugal, o ex-deputado já falou na Alemanha e diz ter sido convidado a falar na França, Suécia e Canadá.

  • ‘MARIELLE VAI DERRUBAR BOLSONARO’

Wyllys voltou a destacar que deixou o Brasil por se sentir ameaçado, agora reforçando o papel das notícias falsas, tema que pretende estudar durante sua temporada na Alemanha.

“Sofria agressões diárias durante a atividade parlamentar de pessoas que acreditavam nas mentiras que recebiam pelo WhatsApp, especialmente associando minha homossexualidade a pedofilia. Uma vez minha mãe foi agredida no supermercado por homem que gritava que ela era a mãe de um pedófilo”, descreveu.

Veja Também  Após tentar matar ex-namorada, homem atira na própria cabeça em estabelecimento

“O sistema decidiu que precisava me eliminar. Se não pela destruição da minha reputação, da minha imagem pública, através da morte real, com um assassinato encomendado”, de acordo com ele, como ocorreu com a vereadora Marielle Franco (PSOL).

O ex-deputado fez duras críticas ao atual governo Jair Bolsonaro, que, para ele, é formado por “incompetentes e mentirosos” e que será derrubado pelas investigações do assassinato de Marielle.

Fonte: Yahoo

Comentar