Polícia investiga segundo caso de suspeita de estupro de aluno do Colégio Magnum, em BH

A Polícia Civil investiga um segundo caso de suspeita de estupro de um aluno dentro do Colégio Magnum Agostiniano, na unidade Cidade Nova, na Região Nordeste de Belo Horizonte. O boletim de ocorrência foi registrado neste domingo (6).

De acordo com a corporação, a mãe de um menino de 3 anos procurou a polícia para fazer a denúncia. O suspeito é um rapaz de 25 anos que é ajudante de professor.

Ela disse à polícia que o garoto teve contato físico com o suspeito com “brincadeiras diferentes”. A mulher perguntou ao filho se, durante as aulas, o ajudante teve algum tipo de contato físico mais íntimo, se ele já teria pegado no pênis ou nas nádegas da criança e ela disse que “sim”.

Em depoimento, a mãe falou ainda que o suspeito já teria feito algum tipo de “brincadeira” sem roupa e que o ajudante deu um beijo no pênis do filho, mas não soube informar quantas vezes o fato ocorreu, mas garantiu que foi mais de uma vez.

A polícia investiga um primeiro caso de um outro menino de 3 anos que teria sido abusado sexualmente.

Em nota, a Polícia Civil informou que as investigações sobre denúncias de estupro de vulneráveis que teriam acontecido dentro da escola já estão em andamento. A Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Dopcad) faz diligências para coleta de dados, procedendo com escutas especializadas realizadas por psicólogos, como o caso requer, visando o esclarecimento total para remessa à Justiça.

A delegada responsável pelo caso, Thais Degani, lembra que inquéritos policiais que envolvem menores de 18 anos devem ser mantidos em sigilo.

Também em nota, o Colégio Magnum informou que foi comunicada oficialmente somente de um fato, o qual motivou a reunião realizada com os pais na manhã desta segunda-feira. Na ocasião, uma mãe mencionou ter feito um boletim de ocorrência na noite deste domingo. Diante da informação, a escola irá conversar com a família.

Veja Também  Polícia prende pastor evangélico suspeito de estupro e assédio a adolescentes

Ainda segundo o comunicado, a gestão está elaborando um pacote de medidas de acolhimento aos pais e alunos que será divulgado ainda nesta segunda.

“A instituição reforça que acredita e defende o princípio da justiça e apoia as autoridades competentes para que a verdade seja revelada”, informou a nota.
Reunião
Uma reunião entre pais de alunos e a direção Colégio Magnum Agostiniano foi realizada nesta segunda-feira (7) na escola.

O motivo foi a primeira denúncia de estupro sofrido por um aluno de 3 anos que teria sido abusado dentro da escola por um ajudante de professor.

A assessoria de imprensa da escola informou à TV Globo nesta segunda que não vai se manifestar.

Primeiro caso

A Polícia Civil já investigava uma suspeita de estupro dentro do Colégio Magnum. De acordo com o boletim de ocorrência, registrado na última quarta-feira (2), o abuso sexual foi no dia 28 de setembro.

A mãe do garoto, de 45 anos, procurou a polícia e disse que o filho foi vítima de um ajudante de professor da escola, de 25, onde a criança estuda, e que a direção da instituição sabe do fato.

Ainda segundo a mulher, o filho estava tentando beijar a boca dela, atitude que não é comum entre os dois. Ela então perguntou ao menino quem o ensinou a beijar e a criança respondeu que foi o ajudante da escola.

Comentar